sexta-feira, 10 de novembro de 2017


Doença

No desespero dos dias
De um futuro sem cores
Um Homem se diz sincero
Um Homem franco atira dores
Dores suas, sombrias flores
Projéteis unicolores
Plenos em sua lacuna de sabores
Disparos de ódio, de tormento, de frustração
Criados pela inefável ausência da Visão
(uma falha restritiva, constitutiva do Mal
filha da viciosa e sempre rutilante Ilusão
da certeza, que o põe em um imundo pedestal).

Atingido pelos disparos
outro homem caminhava
pelos destroços da sua alma
com a pueril inocência do escritor moderno
Este é o homem que quer apenas ser
apesar de sua anuência
com o fato de que
esta é a terra do parecer
do antissaber
dos deuses, dos heróis, dos imortais laureados,
os quais, para seu cinismo doentio,
encontram servos que jantem em seu desprezível brio.

Não importam ao voraz atirador
 - em sua diabólica pureza divina - 
as dores do homem fulminado.
Quer vê-lo a seus pés,
rastejando como um cão moribundo
Os estilhaços acertam minha consciência vã
Enquanto contemplo as belezas de um mundo plural
Diverso, Multicolorido, Cosmopolita, Transcendental,
travado em pequenos visores
necessários utilitários
ainda que limitadores...

Juljan Lima Palmeira – 10/11/17

Fonte da imagem:
14/08/15 – Acessado em: 10/11/17

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Sobre este blog,sobre o autor e sobre os prazeres que dão sentido à vida

Este blog já teve outros nomes. Cada um deles dependia do espírito do autor em épocas distintas. Uma vez que ele - o blog - depende do espírito do autor, permitam-me que eu o apresente: eu sou Juljan. Para mim não há rótulo mais preciso, embora ele não possa ser bem compreendido por aqueles que não me conhecem pessoalmente. Mas é isso. Sou Juljan e no decorrer do texto acredito que haverá uma ideia de quem Juljan é. Caso a imagem seja difusa, não se preocupe: nenhum de nós é nítido.
No primeiro momento do blog, chamei-o de VOZ E VIOLÃO. Publicava aqui minhas peripécias musicais colhidas ao lado de meu velho PC. Algumas delas estão em um canal que tenho no YOU TUBE – já não atualizado há algum tempo.
Depois, chamei-o FEBRE DE BOLA E ETC.. Foi na época em que a fantástica tecnologia do PS3 devolveu minha paixão de menino pelo futebol. O título também se referia a um dos melhores livros que li, do inglês Nick Hornby - torcedor do londrino Arsenal. Aquela nova tecnologia, que colocava meus times de futebol de botão em um campo virtual com movimentos para mim perfeitos, era fantástica - principalmente fantástica para um cara de 36 anos (8 anos atrás) que passara a adolescência sem se preocupar com jogos eletrônicos (a vida real – ou algo próximo para mim do real - sempre me agradou mais). Foi um choque fascinante e necessariamente inebriante.
Por fim, chamei-o EFEITO DE SIGNIFICADO, título que permanece e será mantido uma vez que tudo tem que ter um nome e uma definição. Escolhi a imagem do Colosso de Rodes, uma das maravilhas da antiguidade representada em uma imagem renascentista do Deus Sol segurando a “Luz que os céus inflama” – sonhada por Augusto dos Anjos. O título atual e permanente do blog, vem de uma frase de Jacques Lacan sobre o significante no inconsciente. Do ponto de vista de seu estudo psicanalítico, o significante tem EFEITO DE SIGNIFICADO. Sou graduado em Letras e, em Linguística, também há um significante o qual – apesar de ser distinto do significante psicanalítico lacaniano – também produz efeitos de significado.
Hoje, depois de algum tempo, reativei o blog. Talvez esteja eu atrasado em face das constantes e velozes atualizações da modernidade do assustador século XXI, mas estou vivendo uma fase estranha para mim e encontrei algum abrigo nas palavras novamente. Fazia uns 25 anos que isso não me acontecia e me assustei. Me assustei porque vivi uma vida de trabalho por dinheiro, pagamento de contas, finais de semana relâmpago e calendários com feriados desejados e ansiosamente aguardados. Estilo Marina Colasanti no célebre “Eu sei que a gente se acostuma, mas não devia”. Não que meu trabalho como professor não me agradasse ou satisfizesse, mas quando a gente é criança não deseja só trabalhar. Quando somos crianças e perguntam o que seremos quando crescermos, respondemos pensando no prazer, na alegria, na festa que só existe na alma de uma criança. Ninguém, quando criança, deseja crescer para ter medo de desemprego, medo do boleto vencido, de não ser o que o mundo quer que se seja.
Dia desses, nas redes sociais do HOJE (agora tudo é HOJE), li uma frase do Nietzsche que em seus significantes linguísticos dizia algo assim: O homem que não possui dois terços do dia para si mesmo, para seu prazer, é um escravo. Eu sei que ninguém em sã consciência diria que não sente prazer em seu trabalho porque isso seria admitir um tipo de derrota – algo que pretendo abordar em algum texto no futuro – mas há crianças que crescem para SER, outras, para parecer. Pois a tal frase do Nietzsche produziu neste sujeito Juljan um efeito de significado há muito inerte, deixado de lado. Mas agora, graças a um momento inesperado – que me assustou também por ter passado tantos anos vivendo uma programação – adequada ao desumanizante século XXI (irmão mais velho e mais feio do anterior) – estou de volta ao prazer de escrever.
Outubro desafinado, que publiquei no último dia 31 foi o prelúdio de um reinício. O reinício de uma nova busca pela epifania – a qual está dentro de cada um de nós, mas que, se não lhe dermos o tempo do espírito (muito distinto do tempo das contas e boletos) não surge de verdade, ou sai feia com bordões e “hashtags” que por falarem pouco falam muito dos robôs em que estão nos transformando.
Que venham os significantes produtores de EFEITO DE SIGNIFICADO.

Juljan Lima Palmeira – 03/11/2017 (15 anos de meu sobrinho Pedro)






terça-feira, 31 de outubro de 2017

OUTUBRO DESAFINADO


O Sol
Indeciso
beija os telhados
arames, motosserras
fogos
inesquecíveis
de onde vislumbro
a realidade
intangível
impiedosa
correm rios de sangue
por artérias esclerosadas
e o sol intimida-se
dá vez à Escuridão
das Nuvens de um outubro
Desafinado
Fecho os olhos
odiento
sigo a estrada da perdição
farto de sorrisos inconscientes
farto de amores condicionados
farto de não poder.
Ser o quê?
Galileu ou Barrabás?
Ouço os acordes
de uma existência
que perdeu a fé em si mesma
mas beijam-na
fazem-lhe carícias
e juras de necessidade
Para que dela necessitam?
Para não sofrerem?
Por que ela tem de sofrer
Por dela necessitarem?
Barrabás ou Galileu?
Samurai pretendo ser...

Juljan Lima Palmeira – 23/10/17





sexta-feira, 15 de julho de 2016

O passatempo dos doentes mentais

Eu gosto de ver
Seu sorriso 
De manhã 
E me sinto 
Um deus 
Quando estou escrevendo
Talvez você diga
Que eu sou radical
Mas ninguém pode deter
As ondas do mar
Eu sonhei
Com uma mulher
De cabelos loiros
Ela me disse
Que gostava
Do que via
Apesar de ela
Não estar olhando para mim
Acho que isso
É algo legal de se dizer
Às vezes
Eu acho que estou ficando louco
E até acho normais
As imagens
Na televisão
Talvez
Se eu disser
Que já li um livro
Seja bom
Talvez
Eu seja mesmo
Um doente mental
Quando saio na rua
Todos me olham estranho
E alguém vai dizer
Que isso é paranoia
Na verdade
As ruas
Não são
Para
As pessoas normais
Na verdade
Pensar
É o passatempo
Dos doentes mentais


Juljan
Escrita lá pelo final dos 1990.
A lua e a água gelada ainda comovem, Carlos. Gauchemo-nos, camarada.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Fios de janeiro

E então o teu rosto é o resto que me faltava encontrar:
Roto em desespero esperei-te abrigar.
Te prendi com os meus fios de janeiro;
Me tornei teu espelho sem fim;
Os teus lábios alados,
Calados, afligem,
Me fazem sonhar.
Fui além do que dizem meus sonhos:
Encravei meu orgulho em teus olhos
(When will you be alone again?)
Nos teus pés que te fazem voar
Nos teus lábios que escondem o mar
Mergulhei com meu medo de errar

Juljan - em algum momento entre 2013 e 2014

quinta-feira, 3 de abril de 2014

A verdade liberta sim, mas tem que ser a “sua” verdade

           Aceitar você como você é. Muito difícil em uma época na qual as padronizações estão cada vez mais em voga.
            É possível que cada um tenha a sua verdade? Acredito que sim, desde que suas verdades não sejam ofensivas às verdades do outro. E mesmo que sua verdade surja de um bilhão de fios textuais, históricos, sociais, ideológicos e todo o blá-blá-blá que já conhecemos (por mais real e importante que seja).
            Estamos cada vez mais imergidos em uma espécie de “verdade coletiva”, algo que me lembra “Subdivisions”, do Rush (be cool or be cast out). Os grupos são definidos por comportamentos ideais e todos os que fazem parte de um grupo específico devem se enquadrar no “ideal” (Nada mais romântico, não acham?).
            Um ponto intrigante é o seguinte: existe vida fora do ideal. Obviamente, algumas práticas são obrigatórias, impostas pela necessidade de sobrevivência. Mesmo nessas práticas, cada um tem o direito de escolher seu comportamento subjetivo (repito: desde que não afete o outro).
            Encontrar o seu lugar no mundo, peneirando as verdades coletivas e adequando-as à sua existência enquanto sujeito e objeto da realidade pode ser a chave para uma vida mais serena.
            Haja saúde.



quinta-feira, 11 de julho de 2013

Respeito


            A palavra “respeito” em inglês (respect) é utilizada por rappers americanos ao final de seus versos que falam sobre as agruras de uma vida de exclusão social e preconceito. Talvez uma das palavras mais em falta no vocabulário da humanidade, em toda e qualquer língua, há muito tempo. Os atuais protestos que ocorrem em todo o Brasil são uma prova disso.
            Não é difícil encontrar pessoas que recriminem os protestos e paralisações. Uns vem com aquela conversa de que não passam de “protestos políticos” como se isso fosse um demérito. Como assim? Eles são políticos mesmo. É a política brasileira e a sua prática degradante e excludente que fez com que as coisas chegassem a esse ponto. De fato, as massas excluídas demoraram tempo demais para soltar seu grito de revolta. Outros dizem ou comportam-se como se fossem apenas manifestações e paralisações orquestradas por preguiçosos e vagabundos, que não querem trabalhar. Ora, é melhor você ir ao seu trabalho e voltar normalmente à sua casa ou enfrentar cassetetes e bombas de “efeito moral”?
            É óbvio que devemos considerar de onde vêm as críticas aos movimentos sociais: elas partem de uma elite econômica e “intelectual”, acomodada em sua vida de muitas oportunidades e, logicamente, satisfeita com a situação em que se encontra. Só não entendo qual é a glória em ser vencedor em uma corrida tão desigual, em que os membros dessa elite triste e vergonhosa pilotam um “Red Bull” do Vettel e o resto do povo vem montado em um burrico velho e maltratado. É típico do déspota querer ser o rei em uma terra devastada. Ainda se fosse uma elite produtora de pensadores que se ocupassem em melhorar as condições do seu país como ocorre em nações desenvolvidas da Europa (que a elite daqui tanto idolatra), mas não: é um grupinho de gente pequena e mesquinha, que quer ter e ser apenas para pisar o seu semelhante, vomitando sua erudição e seu poder. Bater em quem é fraco é muito bom. Queria ver se o povo tivesse as mesmas chances que vocês, gente sebosa.
            Há uma fala muito interessante no texto de um dos livros da religião trazida à América e imposta pelos europeus: o personagem pede a seus seguidores que amem seu próximo como a si mesmos. Seja lá quem disse, sempre foi uma frase que me fascinou. É algo que sempre procuro fazer e digo a vocês: é muito difícil. Procuro pelo menos entender e respeitar a todos, desde que seu comportamento não seja agressivo para com o outro, como é caso da postura assumida pela elite supracitada.
            Todos aqueles que estão sendo lesados em seus direitos básicos devem prosseguir em suas manifestações e exigir as mesmas condições de crescimento que são dadas aos grupinhos de uma elitizinha medíocre e que nada tem feito para o crescimento do seu país. Respeito, gente ruim, é bom e o povo o quer.
            Respect!

Foto: google images

Juljan Lima Palmeira
11/07/2013